Depoimentos

Érico Veríssimo - Cruz Alta/RS Escritor
“E Vendo e Ouvindo este campeiro tão íntimo da terra e da vida tão iluminado pela sabedoria do coração, você compreenderá que o homem brasileiro é milagrosamente um só de norte a sul de leste a oeste, a despeito de suas distâncias geográficas, um só no que possui de essencial: a cordialidade, o horror à violência, a capacidade de dar-se e também de rir da vida dos outros e de si mesmo.”
Patativa do Assaré - Assaré/CE Poeta popular, compositor e cantor
“Continue fazendo assim, meu camarada Boldrin, meu colega, meu irmão, conserve nosso folclore para que nunca se descorem as rosas da tradição.”
Plínio Marcos - Santos/SP Ator, diretor e escritor
“Viva Rolando Boldrin, e todos que já se tocaram que um povo que não ama e não preserva as suas formas de expressão mais autênticas jamais será um povo livre.”
Chico Pinheiro - Santa Maria/RS Jornalista
“As manhãs de domingo eram plenas de luz. E de verdadeiro Som Brasil ! A casa, grande, arejada, de janelas abertas, se inundava de música. E meu coração também. O coração cantava. Foi neste cenário que conheci, primeiro pela televisão, o meu cantadô preferido. Rolando Boldrin entrava na casa da gente logo cedo, falando alto - sorriso aberto - puxando pela mão um Brasil profundo e belo, cheio de cores, de cheiros (ah !o café, o fogão de lenha...) ,de violas, pandeiros e sanfonas . Para mim, aquelas manhãs eram mágicas. Quando o Som Brasil entrou pela primeira vez na minha casa, pela tela da Globo, eu já não era menino. O dia já ia alto em minha vida, eu chegava perto dos 30 anos. Mas o cantadô de São Joaquim da Barra, ele que é paulista, mineiro, nordestino e até gaúcho, me levava a passear para o fundo de minha infância, para os campos, grotões e veredas de minha Minas Gerais, para os quintais de meu País. Devo ao meu cantadô muito dessa paixão, que em mim não esmorece, pela cultura do povo de nossa amada terra do Brasil. Foi o Rolando Boldrin quem resgatou para mim e me fez guardar para a vida inteira Alvarenga e Ranchinho; Jararaca e Ratinho; Zé Côco do Riachão; Renato Andrade (e sua viola toda enfeitada de fitas); meus manos véios Pena Branca e Xavantinho; Paulo Vanzolini; Catulo e Patativa do Assaré e mais uma multidão de astros que refulgem no meu céu poético e musical. É aí que me refugio quando a cultura do pobre e arrogante do mercado globalizado ameaça feroz como um tsunami e parece querer afogar a minha aldeia. E é daí que saio depois, recarregado de energia, poderoso de certezas: "o Tejo não é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia, porque o Tejo não é o rio que corre pela minha aldeia" , como nos ensinou aquele bravo navegador da língua portuguesa.

Só muitos anos mais tarde pude conhecer de perto esse meu cantadô, quando fui entrevistá-lo. Hoje mais do que seu fã, sou seu amigo. E falar dele assim me deixa todo orgulhoso. Imagina? Contar que até cantei com ele a "Moda da Onça" na televisão – Nossa!!!- é o máximo. Hoje faço o Sarau na Globonews e muitas vezes penso nele assim: um dia, quando eu crescer, vou ser quem nem o Rolando Boldrin. "É que a viola fala alto no meu peito, mano. E toda moda é um remédio pros meus desenganos". Obrigado Boldrin. Um beijo grande procê, cheio de fraternura!”

Chico, o dos Pinheiros. 2007
Chico Buarque - Rio de Janeiro/RJ Cantor, compositor, escritor
“Saído moço de S. Joaquim da Barra pra S. Paulo, o Rolando soube temperar o samba urbano paulista com aquele gostinho lá de dentro. Conheci-o como ator (êle, eu não!) do grupo Oficina, quando nos contratamos reciprocamente pra sons papos e noitadas. Fui platéia exclusivamente de algumas primeiras audições de sambas seus, como "Onde anda Iolanda" e "Que morena!". Mas não é pelo boa praça que ele é ou pela boa compania que me foi que o recomendo. Rolando Boldrin canta direito o que compõe honesto. É por isso que eu, Chico, mas jamais boateiro, abaixo assino.”
Walter Negrão - Avaré/SP Jornalista e escritor
“Olhaí Jacú!
Não disse que você tinha futuro?
Falando com os guiasme veio a certeza
de que êste é o teu ano.
Tô apostando cem contra um que é.
Recebí a capa do disco. Beleza!
Acho que você está com algum tipo de
proteção nas oportunidades surgidas
e na escolha das coisas que vem fazendo
Senão vejamos: um puta disco. um puta
filme. uma puta novela. um puta show.
Disso tudo, o que pode restar? Um
puta Boldrin, claro!
Não me arrependo um minuto de ter
dividido a porção de arroz e o ovo
frito do Jordão contigo.
Perdão se te encho o saco, mas é que
quando ví tua foto no jornal me veio
-logo cedo- a imagem de meu pai
ferroviário. Se o véio Germinal
e Sêo Amadeu s encontrarem por lé
vão ser muito amigos.
Um abraço e larga o pau que tu tá com
a bola toda, boy!”
01/03/1978
Elomar - Vitória da Conquista/BA
ELOMAR: - “Boldrin, Eu lhe Saúdo velho Molungo. O Rei David, o suave cantor de Israel cantou: contados são os dias do homem aqui na terra. O número de seus anos é setenta; o que passar disto é canseira e enfado. Apesar da sentença, eu creio e espero que você vá até lá longe, bem lejos, sempre firme na proposta de antanho, defendendo e cantando os valores do seu povo enquanto para tanto Deus lhe der engenho e arte”.

ROLANDO: - “Caro cantador Elomar. Você estará sempre no Sr. Brasil, como presente está no espaço sideral do seu amado sertão. Do Velho Malungo”.
(2007)
Flavio Venturini - Belo Horizonte/MG Cantor e Compositor
“Rolando Boldrin é um poeta, um cara que conhece como poucos a alma do Brasil e seus costumes. Assistir seus programas é uma viagem onde ouvimos com prazer suas historias cheias de bom humor e autêntica música brasileira. Me sinto honrado por ter participado dessa historia!” (2007)
Edson Alves - São Paulo/SP Instrumentista, compositor e arranjador
"O Rolando Boldrin é o maior BRASILEIRO que conheço e conheci. Se as pessoas absorvessem uma centelha que fosse de sua BRASILIDADE - aí sim, nós teríamos um país bem melhor em todos os aspectos." (2007)
Fátima Guedes - Rio de Janeiro/RJ Cantora e compositora
“Pesquisador, defensor e, antes de tudo, competentíssimo criador na música e no teatro, pode-se dizer que a cultura brasileira cabe inteirinha na alma de Rolando Boldrin, incansável, surpreendente, maravilhoso.” (2007)
Guinga - Rio de Janeiro/RJ Compositor e violonista
“Rolando Boldrin no atacado e no varejo, como vier eu traço.
Quanto Brasil cabe nos braços desse urbano sertanês.
Receba um beijo carinhoso de seu eterno freguês.” (2007)
Chico Anysio - Maranguape/CE Humorista e ator
“Rolando Boldrin é o real e grande representante do verdadeiro Brasil, aquele que é hoje, como foi há várias décadas: bem humorado, feliz, conversador, cantante, amante de poesias e causos engraçados. O Brasil do interior tem um Imperador que se chama Rolando Boldrin.” (2007)
Júlio Medaglia - São Paulo/SP Maestro
“O talento giratório de Rolando Boldrin é de uma variedade de facetas e energias humanas fora do comum. Tudo que ele faz tem brilho, modifica o contexto onde atua a provoca nossa admiração. Tudo regado a bom humor e simpatia. Queremos mais 50 anos de Boldrin.” (2007)
Passoca - Santos/SP Músico e compositor
"Boldrin pegou o bonde da Música Brasileira, me chamou pra viajar. Balancêmo junto até hoje.” (2007)
Luiz Vieira - Caruaru/PE Cantor e compositor
“Primeira Parte
Cinqüenta anos é uma história e tanto
Cabelos bordados de sal
Rolando, Boldriando
Por chapadas e grotões
Palcos de sua arte
Cunhados pelo sol, sereno e lua
Brilhos que se debruçam num instrumento
De encontro verdadeiro do talento
Nestes cinqüentas anos, só a primeira parte.” (2007)
Ruy Quaresma - Rio de Janeiro/RJ Maestro
"Quando o assunto é música brasileira, de norte a sul e leste a oeste, Boldrin é o melhor sinônimo de brasilidade que conheço. Não só pelo seu conhecimento, mas, principalmente, pela forma generosa com que abre seu espaço televisivo pra todos os artistas de talento, sem restrições, e pela dignidade e respeito com que faz isso." (2007)
David José - Mogi das Cruzes/SP Ator
"Não esqueço do apelido de infância do Boldrin. Era chamado de 'boy' pelo irmão. É assim que, fraternalmente, o chamo até hoje. Conheci-o em 1958, quando ele chegou na TV Tupi de São Paulo, no bairro do Sumaré. Ele tinha 21 anos e eu 16. Nesses já quase 50 anos de amizade e de histórias que vivemos juntos, forjamos nossos caminhos um olhando para o outro. E ele, com sua alma luminosa e seu talento artístico, foi sempre e é uma referência que me faz perceber o encantamento da vida e da arte." (2007)
João Batista de Andrade - Ituiutaba/MG Cineasta
“Apesar de não termos um contrato assinado nesse sentido, Boldrin é meu ator exclusivo. Em 1977 filmou comigo seu primeiro filme, logo como protagonista: DORAMUNDO, vencedor do prêmio de Melhor Filme no Festival de Gramado em 1978 e que rendeu ao Boldrin também um prêmio de Melhor Ator. VINTE ANOS depois, em 1998, lá estávamos nós, de novo, filmando juntos antes que o século e o milênio acabassem. O filme era O TRONCO, adaptação do livro do genial (e inesquecível) Bernardo Elis. Vencedor do prêmio de Melhor Filme das comemorações dos 500 anos de Brasil (é Brasil velho!). Boldrin fez um dos protagonistas, o poderoso Coronel Pedro Melo (ou o “antagonista”, “brigando” feio com centenas de jagunços contra a tropa militar solicitada ao governo pelo idealista coletor, interpretado pelo Ângelo Antônio). O TRONCO foi filmado em Pirenópolis/Goiás onde o povo só não era mais feliz porque o Boldrin teria que ir embora, acabadas as filmagens.

O Boldrin é um dos melhores atores com quem trabalhei. É do tipo que agarra o personagem e, pelo bem do personagem e do filme, topa qualquer parada. Dirigiu trem em Paranapiacaba, andou a cavalo em Pirenópolis. Além do mais alegra qualquer set de filmagens, com sua alegria de viver.

Fico feliz de ter vivido essa parceria com uma pessoa tão cheia de vida, de energia e de humor como o Boldrin. Ficamos amigos logo de cara. Desde DORAMAUNDO, filmado na cidade “inglesa” de Paranapiacaba, sempre coberta de neblina, - eu e todo mundo nos divertíamos com os “causos” engraçados do Boldrin. E com suas cantorias sempre carregadas de emoção e... Humor, que ninguém é de ferro. Esse é o Boldrin.

No final das filmagens de O TRONCO, o Boldrin ia saindo, nos despedimos e, claro, lá veio ele com seu humor maravilhoso. Nós tínhamos filmado em 1978 e 1998, com vinte anos de intervalo. Então ele se saiu com essa: “Pois então estaremos aí, firmes, num novo filme em 2018...”. Até lá, Boldrin. Grande abraço do amigo e fã.” (2007)
Paulo Markun - São Paulo/SP Jornalista
“Nos idos da década de 40, fazia sucesso na rádio de Guairá, uma jovem dupla caipira: Boy e Formiga. Loirinho, mais novo que o irmão, Rolando era o Boy, por causa de seu apego aos atropelos de Tom Mix e outros caubóis americanos.

O tempo passou, Boy deixou de lado a viola, andou por palcos e estúdios de TV, gravou LPs e CDs, até marcar posição na trincheira da boa música de raiz. Som Brasil, Empório Brasil, Sr. Brasil.

Sempre batendo na mesma tecla. Sempre juntando músicos, cantores, compositores que dificilmente chegam às paradas de sucesso, mas que nem por isso merecem menos aplauso e consideração. Ah, e contando causos, interpretando poemas, emocionando.

Pensando bem, acho que a dupla pioneira dos tempos de Guairá poderia trocar seus nomes. Meio abusado, quase bulhento, como a cigarra da história, mas persistente, perseverante como a formiga. Ou melhor, o caboclo que empunha a enxada porque sabe que roça é assim mesmo, só dá fruto com o tempo. Ou seja, uma mistura rara, valiosa, que mantém o rumo e abre espaço nesses tempos cabulosos e quizilentos.” (2007- Presidente da Fundação Padre Anchieta)
Boni, José Bonifácio Sobrinhoso - Osasco/SP Produtor de televisão
“Nesse nosso Brasil fazer arte brasileira de verdade não é fácil.
A apelação e as distorções predominam. É preciso ser herói, ter caráter e bom gosto para ser fiel a cultura e ao sabor das coisas boas e simples de nossa terra. É preciso ser Rolando Boldrin.

Contando “causos”, garimpando composições e interpretes brasileiros Rolando Boldrin, no “Som Brasil” e , em toda sua vida artística, é a mais autentica bandeira da musica sertaneja de qualidade.” (1981 - Presidente da Rede Globo)
Consuelo de Paula Pratápolis/MG Cantora e instrumentista
“A atuação de Rolando Boldrin faz com que minha geração teime em existir. O exercício de seu ofício faz com que a gente atire flores e insista em resistir. A arte do nosso SENHOR BRASIL me faz sonhar em cantar ao lado dele.” (2007)
Lula Barbosa - São Paulo/SP Cantor e violonista
“Rolando Boldrin se destaca, sobretudo no cenário musical do Brasil por conseguir manter sua integridade ao longo de uma longa e muito bem sucedida carreira, sempre preservando o que há de melhor na música brasileira e abrindo um valioso espaço para os novos talentos. Se isso não bastasse, ainda é uma pessoa sensacional. Um grande abraço Sr. Brasil, do amigo Lula Barbosa.” (2007)
Claudio Nucci - Jundiaí/SP Cantador brasileiro
"Rolando Boldrin mostra o coração em tudo que faz e é um dos mais importantes "elos achados" da música e da cultura brasileira. Compositor certeiro e poeta da simplicidade, sua obra transcende os limites do nosso quintal e ganha a amplidão das fazendas do mundo, porque é universal. Garimpeiro de temas e talentos, ele revela como poucos o mais precioso que está no interior de tudo, devolvendo-nos uma imagem mais verdadeira de nossas raízes, valorizando nossa gente e nos fazendo um bem "danado". Sou seu fã!”. (2007)
Baby Garroux Apresentadora de TV, escritora e atriz
“Boldrin, símbolo da verdade brasileira. Uma das criaturas mais puras que conheci nessa caminhada de jornalista, radialista, apresentadora de programas de TV, escritora e atriz por acaso. Revendo nossas fotos na novela Cara a Cara onde éramos pai e filha, volta o aprendizado, a saudade que ele deixa e a pessoa mais humanista que conheci. Admiradora de todos os programas na Cultura -não perco um- livros, discos, tudo. Da Sempre amiga Baby Garroux.” (2007)
Dominguinhos - Guaranhuns/PE Cantor, compositor e instrumentista
“Graças a deus Boldrin, você existe! Abraço do seu amigo Dominguinhos.” (2007)
Saulo Laranjeira - Pedra Azul/MG Humorista, ator e compositor
“É muito emocionante ver a vocação que o nosso querido Boldrin tem em divulgar a autêntica cultura do Brasil. O seu talento e maturidade o credencia para ser chamado de Sr. Brasil.” (2007)
Délcio Tavares - Tenente Portela/RS
"Será impossível contar a história da Televisão e da cultura brasileira sem constar o nome, a competência e a talentosa autenticidade de ROLANDO BOLDRIN"! (2007)
Tom Zé - Irará/BA Compositor, cantor e arranjador
“Rolando Boldrin, anos 60, Arena conta Zumbi, Teatro de Arena: últimos retoques do aprendizado de um ator-apresentador que vai ser, no palco e no vídeo, a identidade número um do povo brasileiro no momento-diversão.

Rolando Boldrin, anos 70 e 80, estruturação do programa para a televisão, percorrendo com essa vilegiatura vários canais de tv.

Rolando Boldrin, circa 2005, sendo acolhido pela TV Cultura, o baluarte onde se resguarda uma televisão que prioriza a qualidade.” (2007)
Antonio Abujamra - Ourinhos/SP Diretor de teatro, e ator
“1. Rolando.

2. Esse eterno jovem não pode de maneira alguma ser desconhecido.
É dos que assustam a todos nós pela sua paixão por esse Brasil enigma que para ele ninguém sabe ver.

3. Ele é aparentemente pueril na sua paixão, mas não é nunca mistificador.

4. Numa terra que tenta ignorar os maiores, como Otávio de Faria, João Cabral de Melo Neto, Clarisse Lispector, Cecília Meirelles e outras vocações humano literária que existem com a grandeza do mundo, vem Boldrin e se torna um clássico-popular que é das artes a mais difícil de ser conquistada. Esse esperançoso e romântico artista é uma lição contínua da anti-angústia, da anti-depressão ,e, pasmem – a gente tem que amá-lo até por seus equívoco, as vezes político, as vezes por uma bobagem como uma falta de transcendência teórica.

5. Mas é ético e as vezes transforma sua “caipirice” numa metafísica concreta, se isso é capaz de existir. Ele sabe das coisas da vida, do mar, do ar, do campo, da selvageria das cidades, e tem sempre um estilo que nunca chega a vulgaridade.

6. Esse eterno jovem, sabe que temos uma alma triste, triste, mas resolve não sofrer e deixar seu público completamente apaixonado e feliz de tê-lo como um irmão próximo.” (2007)
Paulo Freire - São Paulo/SP Violonista
Rolando Boldrin é um farol. Um farol no sertão. Guiando os viajantes e nos animando a seguir no bom caminho. Para mim, que entrei no mundo da viola e do causo, ter a luz do Boldrin no horizonte é uma bênção. E ele sempre foi muito generoso, desde meus começos na viola, nunca deixou de falar o que apreciava e também o que o aborrecia. Melhor que falar do Rolando Boldrin é encontrar com ele, cantar uma moda, dar risada e se emocionar com os causos. É impossível não se sentir à vontade e deixar que ele traga o que há de melhor dentro de nós. E arrematar o causo com aquele abraço violeiro! (2007)
Nilton Travesso Diretor e produtor de televisão
“E Deus, num de seus incontáveis momentos de criatividade, mandou para cá, um poeta e proseador bom de canto e de letras. E aí, deram a ele o nome Boldrin. Não é incrível? Obrigado amigo.”
Baixo, Fernando Faro Aracaju/SE Jornalista, apresentador, produtor e diretor de rtv
“Como aconteceu com tantos artistas que conheci, Cascatinha da cumadre Inhana, Corumbá do Venâncio, Tonico e Tinoco, Ranchinho do Alvarenga e tantos outros, o começo de Rolando também foi duro. Teve que cantar em feiras, circos, bares, praças etc. Até conhecer o sucesso. Começou por estes caminhos, sozinho, pois o irmão da dupla (o Formiga) logo desistiria da carreira e ele (o Boy) foi cantando o Brasil por aí a fora. E cantou e canta tanto as coisas desse país que essa coisa de “tão Brasil”, lhe sai pelos poros.” (2007)
Sérgio Cabral - Rio de Janeiro/RJ Jornalista e produtor musical
“É um homem que vem fazendo coisas de sua terra, e vai a fundo com tanta dignidade que confesso que fiquei emocionado”
Paulo Bonfim Poeta
“Rolando Boldrin, mestre da arte de ser brasileiro. Eu e meu amigo, a tantas luas, fizemos televisão juntos e caminhamos fraternalmente pelas veredas do sertão.”
Vital Farias- Taperuá/PB Poeta-cantador dos sertões
“É muito fácil falar de Rolando Boldrin. Primeiro me considero um grande amigo seu, por estar muito próximo de mim, na sintonia desse universo cultural, no que se refere a maneira de amar um Brasil sem "Z". Por isso o seu nome que é meio difícil de falar, nunca sai da minha boca como um referencial grandioso e profundo. Quem pratica a mais de 50 anos cometendo e sofrendo imensas alegrias, transformando o caos, em energia vital, amando todas as formas da cultura oral e escrita na riqueza do imaginário brasileiro.

Boldrin é um irmão que Deus aliou a minha família amada dos que acreditam na felicidade sem parentesco sanguíneo. E aí se forma uma verdadeira amizade, verdadeira nação, de todas as cores de todos os credos de todas as possibilidades de muitas formas de amor que vão nascendo e tomando formas em todas as direções. Boldrin é para mim, um Semi-Deus, inventado a custo das palavras e das ações do mundo ficcional-concreto, da sabedoria universal da vida. É isso que vejo nesse irmão que Deus me deu. Obrigado por existir e conviver nesses tempos, tempos de pouca memória e de muita arrogância. .Afinal a vida foi feita para os encontros e não para os que pensam que estão com tudo e não se acordam para a grandeza dos outros. Quando alguém como Rolando Boldrin, reina nas artes de um modo definitivo, é porque seu reinado é feito das grandezas que ele com a sua "lupa invisível" conseguiu materializar.Parabéns a todos por esse cidadão brasileiro existir nas nossas vidas, AMEM.” (2007)
Oscar Colucci - São Paulo/SP Publicitário
“Bolamos, Boldrin e Colucci, o projeto de uma campanha cívica para o Brasil, que depois de longos anos de ditadura votaria para presidente.
Essa foi uma das campanhas de que mais tive orgulho de participar.
O Sérgio Reis e o José Eduardo queriam mesmo falar com o povo brasileiro (de A a Z), mas, acima de tudo, o que valeu foi a idéia do Boldrin, até hoje inesquecível.

Credite no Brasil, hoje!” (2007)
Sérgio Reis Publicitário
“Credite no Brasil” criado com muito entusiasmo por Rolando Boldrin, registrou na propaganda brasileira um ato de doação e solidariedade aos cidadãos para não desistirem de nosso País.
A campanha (...), idealizada por Boldrin, poderia entrar no ar hoje sem qualquer alteração e seria muito bom para os corações de todos nós.
Obrigada Boldrin. Um brinde a sua generosidade e amor real aos brasileiros. (2007)
Sérgio D’Antino Produtor Executivo
“O ator, o interprete, o autor, o apresentador, o musico, e mais do que tudo isto, o amigo generoso, e a bondade brotando do seu coração todos os dias e para todos que o cercam.” (2007)
Zeca Baleiro - São Luis/MA Cantor, músico e compositor
"O Rolando Boldrin não deve fazer idéia do quanto ele foi importante pra mim, este cabra. Quando eu começava a viver a música mais 'profissionalmente', aprendi muito vendo seus programas - suas histórias e causos interioranos e seus convidados diversos - verdadeira aula de música brasileira, mas não só. Ficava sonhando um dia participar daquela farra. Não vou nem falar aqui dos seus talentos de compositor e intérprete, soberbos. Os adjetivos não caberiam neste livro. Saravá, Boldrin!" (2007)
Tereza Souza Publicitária
“Falar nele é falar da bondade, amizade, lealdade, muita lealdade. Não se pode esquecer o talento imenso em seus “causos”, a sua poesia, sua música inspirada. Conhecer Boldrin é conhecer o Brasil brasileiro. É aprender a amar nossa gente, é ser brasileiro como ele. Esse livro com certeza vai mostrar prá gente como é o Brasil e o coração brasileiro de Rolando Boldrin.” (2007)
Elifas Andreato - Rolândia/PR Artista Plástico
“Para desenhar, escrever e descrever fatos ou pessoas que, ao longo da vida, nos ensinaram a viver, é preciso lembrar. Eu prefiro lembrar aqueles que, com seus exemplos, me deram o modelo de vida que adotei. Minha vida e meu trabalho, são há muito tempo dedicados ao Brasil, que, espero um dia, seja o Brasil do compadre Boldrin. O Brasil dele é o país que sonho para as gerações que virão depois de mim.

E quando a vergonha, às vezes, verga minha esperança de um país grande e justo com seus filhos, eu me lembro, então, do compadre Boldrin cantando. “Brasil, és o meu sonho dourado”, e me refaço orgulhoso de ser brasileiro.” (2007)
Jane Duboc - Belém/PA Cantora
“Neste mundo conturbado em que a gente se sente ameaçado em qualquer canto do planeta, nada mais apaziguador do que poder ver o que é pureza de alma nos olhos de Rolando Boldrin. Autenticidade, integridade, bondade, inteligência, paz, invadem o ambiente e fica tudo bonito quando se está a seu lado.

Tenho muita sorte em poder conviver, conversar e cantar com este incrível ser humano, artista forte e talentosíssimo que para nosso país, BRASIL, é pedra rara e preciosa, motivo de muito, muito orgulho. Eu amo Rolando Boldrin!” (2007)
Lima Duarte - Desemboque/MG Ator
“Alô 'Boy', eu posso repetir como quando éramos criança "camone boy" e apontar o meu 38, fazendo voltar fulgurosa, radiosa mesmo, a nossa infância de "capiau", que é tão presente ainda em todos os momentos da nossa vida, em todos os meandros da nossa lida. Boldrin querido, você sabe, até mais do que a você, EU AMO EM VOCÊ: seu pai, sua mãe, o seu Boy. Não esqueço nunca daquela tina de bistequinha que uma noite nós comemos na beira do rio, em São Joaquim, num tempo em que ainda existiam rios, tinas e bistequinhas ... Parabéns pelos seus 50 anos de carreira e "camone boy" pra mais 50.
Do sempre seu, Lima.” (2007)
Paixão Côrtes - Santana do Livramento/RS Folclorista, compositor e radialista
"Caro Boldrin,
quando carinhosamente te vejo, mudo. Fico mais orgulhoso de ser brasileiro.
E quando te expressa em arte, são 180 milhões de Brasis que estão presente à paz universal. Com a admiração de sempre” (2007)
Renato Teixeira - Taubaté/SP Cantor, músico e compositor.
“Boldrin é referencial, uma direção a seguir, um norte nesse sul pecaminoso de músicas baratas. Contraponto e alicerce. É fruto saboroso da grande árvore que generosamente adoça nossa boca. Todas as apresentações públicas desse meu admirável amigo deveriam começar sempre com a execução do Hino Nacional Brasileiro”. (2007)
Zé Renato - Vitória/ES Cantor e compositor.
“Foram encontros de muita felicidade, os meus com Rolando e sua platéia. Cantar ao vivo para quem gosta e se emociona como ele é sempre um prazer que vivemos querendo ter. Feliz da gente que canta e pode ter um anfitrião como Rolando, na televisão brasileira.” (2007)
João Araújo - Contagem/MG Cantor, compositor, instrumentista.
“Nos anos 80, ele era meu ídolo, ao me apresentar tantos outros que sedimentariam minha carreira. Em 2005, na gravação do “Viola Urbana” no Sr. Brasil, ele, meu ídolo, tem enormidade de ir nos receber pessoalmente na entrada do estúdio. Pra mim, significa a feliz comprovação de que existe no meu país uma opção de dignidade, honestidade, simplicidade, e comprometimento, e que é esse o caminho que quero seguir para sempre, divulgando e testemunhando a todos que encontrar. Muito Obrigado!”. (2007)